Thaynara Oliveira - Estou com sintomas gripais: e agora? Será que é gripe ou é COVID?

Atualizado: Jan 15


Você já parou para se perguntar como está sua cabeça, sua saúde mental nesses quase dois anos de pandemia? Já sentiu ou sente medo dos últimos acontecimentos? Você pensa positivo? Acredita em dias melhores? Se não se perguntou ainda, permita-se! Tire dois minutos do seu tempo agora e reflita sobre essas questões e sobre o quanto você tem feito “POR VOCÊ” durante esse período... Pensou?


Talvez os questionamentos acima tenham despertado alguma emoção reprimida, algum receio, algo que você não gostaria de sentir, pelo menos não agora... Acredite, você não está sozinho nessa redoma de emoções. O mundo está vivendo junto tempos de ansiedade, medo e angústia devido as incertezas do amanhã.


Ora a pandemia pega fogo, ceifa milhões de vidas, ora nos faz acreditar que está tudo se ajeitando, até que novamente a chama da incerteza se acende e nos deixa mais uma vez apreensivos. Essa “montanha russa”, de altos e baixos, vai nos fazendo adiar e/ou mudar de planos, nos afasta de pessoas, de vivências, de experiências, de sonhos... nos faz acreditar que estamos conformados com a situação. Mas, será que estamos conformados? Nosso ego entende isso? Certamente, a resposta é NÃO.


Os adiamentos, os abraços não dados, as datas não celebradas como gostaríamos, o medo, o medo do medo, têm refletido cruelmente em nossas emoções e nos transformado na sociedade do medo, da angústia, da ansiedade, da depressão. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) de 2021 apontam que o Brasil é o segundo país das Américas com o maior número de pessoas depressivas e o primeiro em índices de ansiedade. A pandemia certamente incrementou essas estatísticas, na medida em que potencializou emoções de todas as naturezas.


Precisamos tratar do assunto! Saúde mental é qualidade de vida, não é frescura! Levando em consideração a importância da temática, o mês de janeiro foi instituído como o mês da saúde mental, com vistas na conscientização da importância da saúde mental. Em razão disso, diversas campanhas têm sido realizadas com o intuito de trazer à tona o assunto e criar uma rede de apoio. Afinal, sem saúde mental não há produtividade no trabalho, não há fluidez nas relações interpessoais e sociais, não há vida saudável.


Retomando às perguntas feitas inicialmente, se o seu medo, sua angústia, sua falta de autoconfiança, de positividade, têm atrapalhado na sua vida, no seu trabalho, nos seus relacionamentos, é hora de repensar, de se cuidar, de buscar ajuda.


E o primeiro passo é acreditar em você! Você é capaz de passar por toda e qualquer situação e ainda sair fortalecido dela! Não se isole, busque ajuda com amigos, familiares, profissionais. Ouça música, leia livros, veja boas notícias, boas histórias... faça caminhadas ao ar livre, pratique atividade física, tire um tempinho do seu dia para você! E nesse tempinho, faça o que você gosta, o que te deixa feliz. Se você tem religião, acredita em um ente superior, por que não busca-lo?! Use de toda a rede de apoio que for necessária, sem receio, sem vergonha, sem medo de ser feliz. E o mais importante: NÃO SE COBRE! O tempo é o senhor de todas as coisas, confie nele. Confie em você!


E você que tirou um tempinho do seu dia para ler esse texto, o que você tem feito pela sua saúde mental? Mande sua dúvida sobre o assunto para o Malhador em Foco, ou deixe o seu comentário abaixo. Estamos juntos nessa! Aguardamos seu contato! Até a próxima!